quinta-feira, 14 de setembro de 2017

Um ano de Blog - 334 anos da Batalha de Viena

O Blog Capitalismus completou um ano de existência, simbolicamente, no dia 12 de setembro de 2017, há exatamente 334 anos desse dia, homens valorosos se uniram para impedir que o Império Turco-Otomano dominasse a Europa. Viena estava há meses cercada pelos turcos e somente com ajuda dos poloneses foi possível vencer a batalha e romper o cerco.
Coloquei o vídeo abaixo em meu canal no Youtube há um anos atrás, mas, por causa de restrições da trilha sonora da banda Sabaton, ele ficou sem som por um tempo. São algumas cenas do filme "11 de setembro de 1683 - O cerco de Viena" que retratam a batalha por Viena.
 
Precisamos da mesma bravura dos austríacos e poloneses que se uniram para derrotar um inimigo em comum que ameaçava suas sociedades, suas famílias e tudo o que tinha valor para eles. A Europa está lamentavelmente sendo invadida por agentes que têm o único objetivo de destruir algumas das culturas que edificaram a humanidade e poucos conseguem se levantar contra as imposições da União Europeia que, planejadamente, determina as políticas que lentamente destroem a cultura europeia.

Falando sobre cercos, há nove dias atrás, em 5 de setembro de 2017, acabou o mais longo cerco da história desde a Idade Média. "Curiosamente", essa informação passou despercebida pela mídia convencional. A cidade síria de Deir ez-Zor, que fica nas margens do Eufrates, estava cercada há mais de três anos pelo Estado Islâmico (Daesh) e os combatentes do Exército Sírio conseguiram resistir por mais de três anos contando apenas com suprimentos aéreos.
Comemoração em Deir ez-Zor após o fim do cerco
O Daesh se enfraqueceu depois que foram cortados os apoios financeiros e bélicos internacionais (EUA, Israel, Arábia Saudita, Turquia, Qatar) e com a intervenção russa na Síria. Foi uma vitória não só contra o Daesh, mas contra as forças internacionais globalistas que ainda tentam dividir a Síria.

Mais uma vez, dois povos tiveram que se unir para derrotar um inimigo em comum.
Em um ano de existência, colocamos no ar 177 posts e recebemos 1434 comentários e 115 mil visualizações. Agradecemos a todos os leitores por terem contribuído com sugestões e comentários que ajudaram a construir esse espaço. Agradeço, também, aos blogueiros da Finansfera pela construção de uma comunidade sadia que permite trocar conhecimentos e crescer como pessoa.

Abraços!

domingo, 10 de setembro de 2017

Review: Cartão Trigg

A Trigger foi pioneira no Brasil ao anunciar um cartão de crédito com Cashback e gerenciamento por aplicativo de celular. O cartão da Omni Financeira permite receber em desconto até 1,3% do valor pago na próxima fatura, um benefício muito melhor do que o sistema de pontos da maioria dos cartões que é feito para que eles vençam sem que o cliente possa utilizá-los.
O processo de pedido do cartão é muito simples e sem burocracia, é necessário enviar poucos documentos e tirar uma foto de si mesmo. É importante ressaltar que a Trigger está selecionando clientes e é direito natural da empresa selecionar o perfil de cliente que mais se configura nas suas atividades, portanto a Trigger só aceita clientes que tenham bom histórico de crédito e rendas mensais e patrimônio relativamente altos. Acho, inclusive, que a Trigger está avaliando o endereço que é colocado no cadastro para selecionar os clientes.

O Trigg é um cartão de crédito feito para quem tem um gasto mensal considerável, ele não é vantajoso para pessoas que gastam menos de 1,5K reais por mês no crédito.
No exemplo acima, um cliente que consome 1500,00 reais por mês no crédito, receberia de volta em desconto 10,50 reais, que seriam suficientes para pagar a mensalidade de 9,90 reais e ainda sobrariam 0,60 centavos para comprar um chiclete Bubaloo.
As faixas de cashback são: a) 0,55% de 0 até 1K reais, b) 0,7% de 1K até 2K reais; c) 0,9% de 2K reais até 3K reais; d) 1% de 3K reais até 5K reais; e) 1,3% para fatura mensal acima de 5K reais.
Verifica-se que, se o seu caso for o da imagem acima, você conseguiria comprar uma caixa de Montecristo # 2 a cada 3 meses somente com o Cashback.

A interface do aplicativo é bem amigável ao cliente e é possível ter controle total da fatura e dos bloqueios de segurança do cartão, também é possível contatar o suporte diretamente pelo aplicativo. Falando em suporte, ele atende rápido e não é necessário ficar esperando no telefone como nos grandes bancos.

O processo de abertura de conta está levando cerca de três dias úteis para a análise das informações e perfil do cliente. A partir da aceitação do perfil, o cliente já recebe um cartão virtual que pode ser utilizado em compras online. O recebimento do cartão físico está levando em torno de duas semanas e ele é necessário para que seja desbloqueado todo o limite de crédito do cliente.

A utilização do crédito para pagar compras é a que mais favorece o consumidor (e mais desfavorece o vendedor) quando não há desconto para pagamento a vista. Como explicado no post sobre cartão de crédito, tempo é dinheiro e no crédito é possível contratar um empréstimo gratuito por até 30 dias.

Apesar das funcionalidades do cartão e descontos, é sempre importante lembrar uma frase do Julius:
Não deixem que o desconto do cartão domine a mente e faça com que você aumente os gastos desnecessários, tornando o cartão um agente da Matrix Financeira e não uma ferramenta para a Independência Financeira.

quarta-feira, 6 de setembro de 2017

Por que a África é Pobre?

Para responder a pergunta acima de forma absoluta seriam necessários vários volumes de livros, por isso eu só vou responder alguns dos motivos que eu considero importantes para a perpetuação da pobreza na África. Já adianto que, em minha opinião, o maior motivo para a situação de miséria e calamidade que ocorre em grande parte da África foram as políticas destrutivas da ONU, que obrigou as ex-potências europeias a abandonar o continente e transformou a África em um território livre para guerrilhas comunistas, movimentos fundamentalistas islâmicos e disputas tribais.
Farei uma réplica ao capítulo 11 do livro 23 Coisas que Não nos Contaram sobre o Capitalismo que foi resumido pelo blogueiro Senhor Bufunfa:

A África nem sempre esteve estagnada. Nas décadas de 1960 e 1970, quando todos os supostos impedimentos estruturais ao crescimento estavam presentes e eram, com frequência, mais restritivos, ela na realidade apresentou um desempenho de crescimento satisfatório. Além disso, todas as desvantagens estruturais que supostamente refreiam a África estiveram presentes na maioria dos países ricos de hoje — um clima desfavorável (ártico e tropical), a falta de acesso ao mar, recursos naturais abundantes, divisões étnicas, instituições deficientes e uma cultura ruim. Essas condições estruturais só parecem atuar como impedimentos ao desenvolvimento da África porque os países desse continente ainda não possuem as tecnologias, instituições e habilidades organizacionais necessárias para lidar com as suas consequências adversas. A verdadeira causa da estagnação africana nas últimas três décadas são as políticas de livre mercado que o continente foi obrigado a implementar durante esse período. Ao contrário da história e da geografia, as políticas podem ser modificadas. A África não está destinada ao subdesenvolvimento.

Na minha opinião, a ideia do autor do livro começou certa, realmente a África era próspera na até o final da década de 1960, mas por causa do enorme desastre que foi o abandono do continente pelos europeus, tudo foi revertido em poucos anos. Os africanos não foram obrigados a adotar políticas de livre mercado, muito pelo contrário, o movimento comunista estatizante dominou rapidamente o continente após o abandono pelos europeus.

Portugal - Angola e Moçambique


Hoje em dia fica difícil acreditar que Portugal, país que eu nutro especial admiração e terra de Camões e de Nuno Álvares Pereira, tenha sido um país soberano até 1974. Infelizmente, Portugal é hoje apenas um vassalo da UE e da OTAN.
Luanda em 1970
Angola e Moçambique eram prósperas colônias portuguesas, muitos portugueses e até chineses de Macau migraram para empreender na África, a possibilidade de ganhos com o comércio e extração de matérias-primas eram muito maiores do que na Europa.
Nesses dois territórios haviam ameaças de guerrilhas comunistas financiadas pela URSS e com apoio da ONU. As guerrilhas dominavam algum território no interior, mas o Exército Português estava empreendendo uma campanha vitoriosa e reduzindo cada vez mais o território dominado pela guerrilha. Miseravelmente, Portugal foi destruído por dentro em 1974 quando um golpe militar de ideologia social-democrata derrubou o Estado Novo português e entregou de graça todas as colônias para as guerrilhas. Depois disso veio a vassalização para a OTAN e para a UE, ou seja, Portugal perdeu a soberania militar, política e econômica. Passados 43 anos, observamos que o diagnóstico de Marcello Caetano estava certo:

Sem o Ultramar estamos reduzidos à indigência, ou seja, à caridade das nações ricas, pelo que é ridículo continuar a falar de independência nacional. Para uma nação que estava em vésperas de se transformar numa pequena Suíça, a revolução foi o princípio do fim. Restam-nos o Sol, o Turismo, a pobreza crónica, a emigração em massa e as divisas da emigração, mas só enquanto durarem. 

As matérias-primas vamos agora adquiri-las às potências que delas se apossaram, ao preço que os lautos vendedores houverem por bem fixar. Tal é o preço por que os Portugueses terão de pagar as suas ilusões de liberdade.
Situação calamitosa em 1975
Evidentemente, Angola e Moçambique foram reduzidos à miséria e somente na última década que Angola começou a esboçar algum crescimento econômico acompanhado de medidas que abriram sua economia ao investimento estrangeiro. Moçambique continua em um clima eterno de semi-guerra civil.

Rodésia - Zimbábue


Pôster de recrutamento da Rodésia
A resistência heroica da Rodésia contra o resto do mundo, embora fracassada, é de se admirar. Em 1965, os britânicos planejavam abandonar suas colônias para as forças da barbárie descritas no primeiro parágrafo, porém os colonos ingleses e bôeres que representavam menos de 5% da população declarou independência unilateral e instaurou um governo que conseguiu por cerca de 14 anos manter um pouco de prosperidade na Rodésia.

A Rodésia literalmente teve que enfrentar o mundo inteiro por tentar quebrar o plano destrutivo elaborado pelos burocratas globais da ONU. Nenhum país reconheceu a Rodésia, embora ela tenha recebido suporte militar clandestino da África do Sul e tenha mantido relações comerciais fortes também com Portugal, sofreu um embargo comercial que dificultou a sua sobrevivência.

Com um exército muito menor do que a guerrilha fortemente armada com dinheiro infinito de programas tanto da KGB como da ONU, a Rodésia conseguiu empreender ações militares heroicas. Em 1977, a épica Operação Dingo da Rodésia conseguiu atacar um campo da guerrilha com cerca de 12 mil homens, neutralizando 3 mil e ferindo 5 mil, tudo isso com uma força de apenas 200 homens e aviões ultrapassados das décadas de 1940 e 1950.

Em laranja países que apoiavam as guerrilhas em 1975
Depois da sabotagem interna ocorrida em Portugal, a Rodésia passou a ter que defender toda a fronteira com Moçambique de ataques de guerrilha e suas forças reduzidas não conseguiram parar a invasão.

A Rodésia foi acusada de ser um "governo ilegal supremacista branco" na África, coisa que nunca foi, porque apesar do voto ser censitário (lembrando que a democracia é uma ameaça à humanidade), não havia distinção étnica, diferentemente da África do Sul do Apartheid. Curiosamente, em 1980, o governo comunista criminoso do enorme canalha do Robert Mugabe foi instantaneamente reconhecido pela ONU e os descendentes de europeus que viviam na Rodésia tiveram que fugir para escapar do extermínio.

Robert Mugabe estatizou todas as propriedades dos colonos europeus e levou o Zimbábue à miséria e hiperinflação. Isso não é, de forma alguma, livre mercado.

Conclusão


Só consigo ver uma relação inversamente proporcional entre o livre mercado e a pobreza na África, aliás o país menos pobre e que mais cresce na África Subsaariana é a Botswana, que coincidentemente tem, há anos, o mercado mais livre, apesar que o país também se beneficia com a mineração de diamantes. Também não teve conflitos internos significativos e o governo não é democrático.
Expliquei a minha visão histórica de apenas três países da África e nem citei o Norte da África que foi abalado por mais uma criação do bloco globalista: a Primavera Árabe. Apesar de ser insuficiente para explicar toda a história africana, julgo que meu texto consegue expressar minhas ideias e exemplificar o tipo de processo econômico e histórico que aconteceu na África após o abandono forçado.

A ONU e o bloco globalista lucraram muito com a destruição da África, o primeiro objetivo atingido foi o impedimento da formação de um mundo multi-polar, os países europeus foram enfraquecidos e obrigados a se juntarem em organizações internacionais que reduziram a quase nada a soberania desses países. Outro objetivo secundário foi o empobrecimento da África que possibilitou, de diversas formas, o aumento de autoridade da ONU, seja organizando missões militares de paz ou "ajudas" humanitárias.
Canção épica do Exército da Rodésia. A primeira estrofe diz que a independência da Rodésia foi de encontro aos desejos de certos outros governos, que tentaram os derrubar e os fazer arrependidos.

terça-feira, 5 de setembro de 2017

Fechamento Carnegie Agosto 2017

Grande mestres da blogosfera, hoje irei postar meu fechamento do mês de agosto. Acredito que veio dentro do aceitável, em virtude de muitas valorizações tanto da bolsa, fiis e, até mesmo, de títulos públicos que tenho na carteira (tanto pré como pós fixados). Não chego aos pés ao primeiro colocado no ranking haha. 


IBOV últimos 30 dias: +7,77%
IFIX últimos 30 dias: + 1,20%
Poupança: 0,50% a.m
Rentabilidade mensal: +2,56%
Rentabilidade da carteira: 12,68%

Modificações:

Venda total de BBAS3 
Compra de ITSA3

Abraço a todos

segunda-feira, 4 de setembro de 2017

Técnica de Avareza: Cartão de Crédito

Meu tio algumas vezes me deu lições breves, mas certeiras sobre finanças pessoais. Há alguns anos atrás ele era o tipo de pessoa que entrava em uma piscina com o Sonrisal na mão e saia com ele intacto do outro lado. Uma vez ele me disse que gastava tudo o que fosse vantajoso no cartão de crédito e só se o vendedor oferecesse desconto ele pagava a vista.
Até pouco tempo atrás tinha preconceito com o cartão de crédito por causa da visão de educadores financeiros que tornaram comum o bordão de que "o cartão de crédito é o vilão dos gastos". O cartão de crédito sempre será o vilão dos gastos para pessoas desorganizadas e que aceitam pagar juros caríssimos.
A verdade é que o cartão de crédito é uma ferramenta muito útil nas mãos de quem sabe utilizá-lo. Meu tio ainda disse que deixava todo o dinheiro rendendo em RF e pagava a fatura quando ela chegava, essa é a primeira vantagem de comprar com o cartão, contratar um empréstimo grátis por até 30 dias e deixar o seu dinheiro rendendo em uma aplicação em renda fixa. A segunda vantagem do cartão de crédito é aproveitar programas de pontos ou cashback, porém essa segunda vantagem pode ser uma armadilha, porque os cartões que oferecem esse serviço costumam cobrar a famosa anuidade.

Em minha opinião, as melhores opções de cartão de crédito são o Nubank e o Trigg. O Nubank é o melhor para quem gasta menos de 1400 reais por mês, porque não tem tarifa alguma, já o Trigg é o melhor para quem gasta acima de 1400 reais por mês, ponto onde o cashback passa a superar a tarifa mensal. Aliás, acho muito melhor o sistema de cashback do que as milhas e pontos de outros cartões que ficam vencendo e muitas vezes não conseguimos usá-las. O cashback é um desconto de até 1,3% na próxima fatura que o cartão Trigg oferece, dessa forma, desconta em dinheiro e não em pontos que são feitos para que você se esqueça e eles expirem. Importante salientar que o Nubank criou um sistema Rewards de pontos que nunca vencem, mesmo assim ainda prefiro o cashback, mas, para quem viaja bastante de avião, talvez os pontos façam mais sentido.
Alguns aplicativos recentemente lançados ainda permitem aumentar ainda mais a utilização do cartão de crédito e contratar o empréstimo gratuito de até 30 dias. O App Mercado Pago permite pagar contas de utilidades e boletos por cartão de crédito e o App Pic Pay do Banco Original permite realizar transferências para outras pessoas por cartão de crédito.
Avareza, do latim AVARITIA, também conhecida no Brasil como pão-durisse e no jargão da pecuária como morrinharia.

Estou implementando mais essa técnica de morrinharia. Como o dinheiro hoje vale mais do que o dinheiro amanhã, pago tudo no cartão, exceto quando o comerciante me oferece um desconto maior que 2%, deixo minha conta corrente quase limpa e tudo rendendo na RF de liquidez diária (classifico como parte da reserva de emergência, por isso não coloco no fechamento mensal).

Roma não foi construída em um dia.

sábado, 2 de setembro de 2017

Fechamento: Agosto Anno 2017 - Barbarossa

Mais um fechamento excelente e caminho encurtado para a IF. Consegui boas rentabilidades nas minhas três carteiras em agosto: na carteira Brasil, a maioria das ações subiu, bem como meus FIIs continuaram se apreciando; a carteira USA também ficou positiva, com destaque para o Sberbank que subiu cerca de 15% no mês, e a carteira de criptomoedas foi o grande destaque: o bitcoin, o litecoin e a DASH valorizaram exponencialmente em agosto.
Rentabilidade da carteira Brasil: +5,86%
Rentabilidade da carteira USA: +3,90%
Rentabilidade da carteira de Criptomoedas: +86,88%!

Rentabilidade Total: +11,18%!
Rentabilidade Anual: +47,33%!!!

Dólar mensal: +0,97%
IBOV mensal: +7,46%
IBOV anual: +17,61%
Como sempre digo, boa parte dessa rentabilidade foi sorte e uma parte menor foi por causa da minha habilidade de navegação nos mercados financeiros. Basicamente, três operações renderam mais de metade do meu lucro no ano: hold de Unipar iniciado em 2013, hold de PQDP11 iniciado em 2014 e hold de bitcoin iniciado em 2015. Perdi de colher nos investimentos que falharam e ganhei aos baldes nos investimentos vitoriosos, porém foi necessário um tempo de alguns anos até que os investimentos vitoriosos maturassem.

Recebi a primeira parcela do mega dividendo da Unipar, que investi nas ações das companhias supracitadas nas mudanças de carteira, aliás, a Unipar reportou um excelente fechamento trimestral e os controladores finalmente tomaram uma derrota desonrosa na OPA. Vendi EZTC3 por causa da minha desconfiança com a situação econômica brasileira explicada aqui.

Felizmente consegui recuperar minhas Bitcoin Cash, demorei 14 dias para recebê-las porque cometi O GRAVÍSSIMO ERRO DE DEIXAR CRIPTOMOEDA NA EXCHANGE. Ainda bem que deixei na Poloniex e não na Foxbit ou Mercado Bitcoin, quem deixou nessas duas está de mãos abanando até agora, deixou de ganhar um valor equivalente a mais de 10% do valor das Bitcoins em carteira. Não duvido que os sócios gordinhos da Foxbit estão acendendo um Monte Cristo No. 2 com as Bitcoins Cash não pagas dos clientes. Vendi minhas Bitcoin Cash porque não vi tanto valor no ativo e troquei por Dash, no começo do mês fiquei até um pouco preocupado se o B. Cash substituiria o Bitcoin, mas pelos meus estudos, a implementação da Lightning Network no Bitcoin fará as transações mais rápidas e menos custosas, melhorando a rede como um todo.

Estou planejando aproveitar o real que continua sobrevalorizado em setembro e fazer uma remessa, aproveitando para aumentar minha posição no Sberbank, também planejo aumentar minhas reservas em RF de alta liquidez porque vejo que as oportunidades em RV brasileira estão se esgotando, dessa maneira, quando e se o mercado cair, terei uma reserva financeira pronta para aproveitar as "promoções".
As mudanças na carteira foram:

-Aumento de posição em JBS -JBSS3-Aumento de posição em Porto Seguro - PSSA3
-Aumento de posição em Bradesco - BBDC4
-Início de posição em BB Seguridade - BBSE3
-Venda total de Eztec - EZTC3
-Compra de Bitcoin
-Venda de Bitcoin Cash (BCH)
-Compra de DASH

Abraços!

quinta-feira, 31 de agosto de 2017

Fundo Itaú Renda Fixa, Vale a Pena?

Fala, doutores! hoje irei fazer uma comparação com um fundo oferecido pelo Banco Itaú para aplicações a partir de R$ 150 mil reais. Realizei esse estudo com o intuito de verificar um produto oferecido ao investidor médio que queira um rentabilidade superior aos demais produtos oferecidos no mercado. Geralmente, esses fundos são oferecidos para aquelas pessoas que não tem tempo ou vontade de procurar melhores alternativas no mercado financeiro, mas possuem reservas financeiras consideráveis. 


Para começar, o estudo será baseado no fundo denominado:

UNICLASS DI MASTER FICFI RENDA FIXA REFERENCIADO

Informações relevantes:

O objetivo do FUNDO é aplicar seus recursos em cotas de fundos de investimento que investem em ativos financeiros que buscam acompanhar a variação do Certificado de Depósito Interbancário (“CDI”) ou da taxa Selic, de forma que, no mínimo, 95% dos ativos estejam atrelados a este parâmetro

Investimento inicial mínimo: R$ 150.000,00
Taxa de administração: 1% do patrimônio líquido ao ano
Resgate: 0 dias úteis


Peguei as informações referentes aos anos de 2014 a 2016, facilitando nossa comparação com rentabilidades atuais. Aplicações acima de 2 anos facilitam nossa análise, em virtude do imposto de renda já estar com uma alíquota menor (15%). Desconsiderei o ano atual para facilitar a comparação.

Desde já verificamos que a rentabilidade acumulada, somando-se as despesas do fundo (1% do patrimônio líquido do ano) vão de quase 10% em 2014 a acima de 13% em 2016.

Fiz uma tabela como forma de comparação, gostaria que todos verificassem a comparação entre:

- FUNDO ITAÚ
- SELIC ACUMULADA NO PERÍODO
- CDI (ressalto que é o CDI sem considerar o IR)
- CDB 110 % (JÁ COM O IR DESCONTADO) - Essa aplicação consegue-se com bancos grande e médios, sem oferecer muito risco
- CDB 120% (JÁ COM IR DESCONTADO) - Coloquei como forma de comparação, já que são aplicações mais arriscadas e de bancos pequenos.


Verificamos que a rentabilidade do fundo ficou abaixo de uma aplicação com CDB de 100%, já que obviamente o fundo RENDA FIXA deverá aplicar em renda fixa. Vejo que os investidores não precisam aplicar nesse fundo, especificamente, para buscar rentabilidades maiores, já que é pago taxa de administração pelos próprios investidores.

Na tabela retirada do próprio fundo do Itaú já demonstra que o fundo RENDE MENOS QUE UMA APLICAÇÃO DE 100% DO CDI. É de certa forma incrível como diversas pessoas colocam o próprio dinheiro, sabendo que o fundo não rende o mínimo aceitável para um investimento desse porte. Há corretoras que oferecem aplicações a partir de R$ 3000,00 com rentabilidades superiores.

Ressalto que a vantagem, que muitos afirmam, é a facilidade que os correntistas possuem em deixar o próprio dinheiro na instituição financeira, sem recorrer a outras corretoras. Além disso, ter alguém gerenciando seu dinheiro, sem efetivamente a pessoa realizar a gestão ativa dos próprios investimentos.

Considero que a facilidade de deixar o dinheiro na própria instituição financeira e de ter algum gerente para cuidar das aplicações no banco é irrelevante comparada ao fato que seu dinheiro vai render muito menos. Esse é um problema que a maior parte da população enfrenta: gastam muito tempo trabalhando e estudando e não têm tempo para estudar investimentos ou cuidar do próprio dinheiro.

Desta forma, vemos que muitas pessoas acabam por trabalhar em excesso, gastando energia e tempo, com o objetivo de ganhar mais dinheiro. No momento de aplicá-lo, ou verificar a melhor opção, afirmam que não tem "tempo" ou que estão muito ocupadas com determinadas atividades. Saber o mínimo é essencial para não cair em "conversas com o gerente do banco" que acreditam ser as pessoas mais confiáveis para pedir conselhos de investimento.