domingo, 10 de dezembro de 2017

Fechamento Carnegie Novembro 2017


Fala pessoal, fazendo um fechamento mensal para não perder o costume, desta vez do mês de novembro.

Fiquei numa correria com a compra do carro semi-novo em virtude do meu antigo estar numa faixa crítica para maiores manutenções. Fiquei surpreso que as pessoas não são práticas ao se fechar negócio, no meio do caminho fechei com 2 pessoas e estas voltaram atrás de última hora. Você acaba gastando tempo e energia negociando com esse tipo de pessoa, porém vi que faz parte do processo.

Agora fico na luta da venda do meu carro, vamos ver quanto tempo vou demorar, espero que rápido.

As modificações na carteira não foram grandes, somente com a compra de ITSA3 e BBAS3, em virtude de uma queda no mês de novembro, comprando a um preço abaixo do que tinha vendido no mês passado.

Como não contabilizei o valor do carro inicialmente no cálculo da rentabilidade, meus ganhos no mês foram as seguintes:




Por hoje é isso,
grande abraço


sexta-feira, 1 de dezembro de 2017

Fechamento: Novembro Anno 2017 - Barbarossa

Mais um mês de excelentes rentabilidades na minha carteira, as criptomoedas, com ênfase na Dash, continuam sendo a locomotiva e consegui um progresso financeiro nesse ano que não imaginaria ser possível:
Rentabilidade da carteira Brasil: +3,18%
Rentabilidade da carteira USA: +5,51%
Rentabilidade da carteira de Criptomoedas: +62,51%!!!

Rentabilidade Total: +12,53%!
Rentabilidade Anual: +79,38%!
 
Dólar mensal: -0,04%
IBOV mensal: -3,47%
IBOV anual: +19,1%

Eu tive a honra de ser aclamado com o título de "O Investidor da Idade Média" por alguns faraós que não gostaram muito de minhas opiniões em alguns posts passados. Felizmente, a ciência econômica é imutável, assim como os axiomas matemáticos, e é possível aplicar princípios da lógica econômica sobre a realidade para tentar encontrar boas opções de investimento. 
 
Um título que muito me honra

Consegui uma boa rentabilidade na minha carteira Brasil, mesmo com a queda do IBOV por causa da minha posição em Unipar que continuou subindo inabalada após a divulgação de mais um ótimo resultado. Estou parcialmente "hedgeado" contra perturbações internas, porque grande parte das empresas da minha carteira lucrariam mais com um câmbio mais desvalorizado, incluo a JBS nesse balaio, apesar da empresa estar desacreditada, seus últimos resultados mostram que a parte operacional é muito superior à concorrência.

A minha carteira USA ficou em stand-by mode e ainda teve rentabilidade positiva por causa do Sberbank que continua muito barato.

Aconteceu tanta coisa no noticiário das criptomoedas que nem parece que novembro só teve 30 dias, o fato que me tirou o sono foi a possibilidade de Flippening do Bitcoin Cash sobre o BTC. Como o Bitcoin está com tarifas altas e tamanho de bloco de apenas 1Mb, o Bitcoin Cash está mais funcional, com tarifas menores e transações mais rápidas. Cometi um erro trocando meus Bitcoin Cash por Dash há alguns meses atrás. Não vou mais vender moedas de Fork sem um bom motivo, permanecerei com os BTGs recebidos e talvez volte a abrir posição no Bitcoin Cash. 
As mudanças na carteira foram:

-Aumento de posição em Taesa - TAEE11
-Aumento de posição em JBS - JBSS3
-Compra de DASH
-Compra de BTC
-Venda total de Litecoin
-Alguns Trades no BCH por preocupação com o Flippening

Livros: Democracia, O Deus Que Falhou - Hans-Hermann Hoppe (em progresso).

terça-feira, 28 de novembro de 2017

Ranking de Rentabilidade - Outubro 2017

Salve! Segue a edição do Ranking de Rentabilidade mais atrasada e mais curta de 2017, fiquei sem tempo nesse mês e vou postar uma versão bastante resumida para manter as tradições:
Sim, estamos quase em dezembro e estou publicando o Ranking de Outubro.
Highlights:

- A Contabilidade do Ranking passou o Surfista Calhorda para a série "Café com Leite" por contabilizar ganho em ativo sem liquidez (imóveis).
- Nota Censoria para o Pretenso Milionário por estar atrasado.
- Ranking com poucas alterações, maior ultrapassagem foi o M1M que saiu da 13ª para a 11ª posição.

Tentarei postar mais em dezembro. Abraços!

Link para o Ranking de Setembro

quinta-feira, 9 de novembro de 2017

Golpe: Maximus Digital

A saga da pirâmide Alcateia continua após reviravoltas dignas de uma história de suspense. A última reviravolta é que ela se fundiu com uma empresa chamada Maximus Digital e vai mudar toda a oferta de planos de trambique investimentos. Sem dúvidas, é uma finalização do golpe iniciado na Alcateia com uma história de cobertura: a empresa mudou, a Maximus quebrou e os cabeças em breve desaparecerão.
Nem vou dar muita atenção aos aspectos técnicos desse Ponzi, vou focar, novamente, na parte psicológica, que eu acredito que seja mais importante para detectar esse tipo de golpe. Pelo menos, dessa vez, eles fizeram um site mais bonito, mas, como a Maximus parece ser somente uma fachada para a finalização de um golpe, já vem dando problemas desde o início e os comentários no Reclame Aqui e na página do Facebook (que não tiveram nem a atenção em atualizar o nome) não estão nada amistosos:
Resumindo os aspectos técnicos: A Alcateia prometia um retorno de cerca de 10% ao mês por meio de operações de gênios financeiros anônimos nos mercados de ações, forex, criptomoedas e apostas esportivas e depois que se "fundiu" com a Maximus os planos foram modificados para ganhos de cerca de 4% ao mês por meio de supostas operações de fomento mercantil.
Qualquer um que entenda de matemática financeira sabe que é possível que uma empresa pegue um empréstimo com taxas bem menores que 4% ao mês para financiar suas próprias operações.

Curioso, também, que a suposta atividade muda da água para o vinho, em dias os gênios financeiros evaporam e a empresa vira uma suposta boutique de investimentos. Sem falar que é dito que a Maximus já existe e opera há anos, apesar de ninguém nunca ter visto essa empresa (obviamente dá para pegar um CNPJ de alguns anos atrás para sustentar essa tese).
Há dois indícios psicológicos fortes que indicam que um suposto investimento é um esquema ponzi: o grande incentivo para chamar novos participantes e a aplicação da teoria da casca de cebola.

Pelo o que eu vi, o grande incentivo para chamar novos participantes não está presente na Maximus, porque acredito que ela seja somente a fachada para o término do golpe. Apesar disso, a Alcateia possuía um sistema de bonificações a partir de indicações de novos associados. Já a teoria da casca de cebola (explicada aqui) é onipresente, não se vê grandes investidores, os macacos velhos do mercado não caem facilmente em golpes.

Descobri que os esquemas de pirâmides Ponzi foram bastante utilizados pela máfia italiana para arrancar algum dinheiro da população menos esclarecida e sempre tinham uma fachada semelhante: uma empresa de investimentos que por algum método inovador conseguia rendimentos muito acima do mercado. Os mafiosos italianos eram mais espertos que os faraós brasileiros, porque, diferentemente dos cabeças da Kriptacoin, eles conseguiam esconder o envolvimento deles e tirar dinheiro do povo sem serem pegos. Vamos acompanhar as cenas dos próximos capítulos e verificar se os cabeças da Alcateia/Maximus conseguirão se aposentar nas Ilhas Cayman antes que as autoridades os encontrem.

Não, você não vai golpear o sistema bancário fiduciário e as odiosas reservas fracionárias participando de um esquema Ponzi, no máximo você poderá ser um piramideiro que se deu bem, mas nunca será um paladino da liberdade, como alguns acham que são. Se você caiu em um golpe desse tipo, preste atenção para não cair mais e faça um plano para recuperar o prejuízo financeiro. Por fim, o mural do hospício está aberto para lamentações e reclamações.

quarta-feira, 8 de novembro de 2017

Comentários: Embraer 3T17

Estou acompanhando com lupa a Embraer desde o resultado do segundo trimestre, em que a empresa se saiu bem, considerando o cenário atual difícil e o câmbio valorizado. Como já tinha dito no post anterior, a Embraer é uma empresa difícil de ser analisada, porque ela não faz produtos triviais, não é uma empresa que pode ser administrada até por um idiota, muito pelo contrário. O negócio da Embraer exige muito gasto com pesquisa e desenvolvimento e a empresa precisa criar bons produtos para ser competitiva em um nicho do mercado de aviação global.
A própria Embraer já espera um resultado pior em 2018 do que neste ano, a razão disso é que ela está em fase final de implantação dois grandes projetos: O KC-390 e a linha de jatos comerciais E-2, explicados no último post sobre a Embraer. O primeiro jato comercial E-2 será entregue em Abril de 2018 e a Embraer já conta com uma grande carteira de pedidos confirmados para essa linha (backlog). O KC-390 segue no processo de certificação e não houve novos pedidos no trimestre, mesmo assim, ele está sendo apresentado para diferentes forças aéreas do mundo.

Nas últimas semanas as ações da Embraer caíram fortemente depois do anúncio que a Airbus vai comprar a linha de jatos da Bombardier que concorre diretamente com a linha E-2. O mercado espera que a concorrência aumente nesse segmento com investimentos mais fortes da Airbus, eu acho que é, de fato, um fator negativo para a Embraer, mas é um evento normal, nada catastrófico para as vendas futuras do E-2.
A Embraer reportou um lucro líquido ajustado de 238M, o que considero bom para o período que a empresa passa e pela situação econômica atual. A situação de endividamento da Embraer está controlada e mantenho meu "chute" de um lucro líquido anual de no mínimo 1,6B quando a empresa estiver na fase de "decolagem".
EMB-314 Super Tucano
O produto que surpreendeu positivamente no trimestre foi o EMB-314 Super Tucano, avião militar de ataque leve e treinamento projetado em 2009. Ele foi testado pela Força Aérea Americana para uma futura aquisição de aeronaves de baixo custo e recebeu a classificação máxima. O Super Tucano cumpre bem o propósito para qual foi projetado, é uma aeronave de baixo custo para treinamento, reconhecimento e apoio aéreo de solo, vale ressaltar que uma unidade do Super Tucano custa cerca de 10M dólares, enquanto uma unidade do caça "top of mind" da Lockheed Martin, o F-35, custa mais de 1B de dólares.

terça-feira, 7 de novembro de 2017

Android 10 anos

Nessa semana comemora-se 10 anos do lançamento do Android. Em 2007 despontavam-se no mercado os sistemas da Microsoft, Nokia, Symbian e Apple que subestimaram o Android como concorrente.

O Google estava por trás do lançamento, fomentando a tecnologia por trás desse sistema que buscava uma experiência muito melhor das diversas plataformas disponíveis no mercado. Como todos sabem, o IOS (sistema operacional desenvolvido pela empresa de Steve Jobs) é um sistema fechado, ou seja, não é possível que outros desenvolvedores criem ou modifiquem o sistema do Iphone.
Apesar das críticas do Iphone, o sistema mantém uma operacionalidade única para seus usuários, gabando-se da segurança de seus aparelhos.

Como prefiro o Android e, por ver diversos pontos negativos do Iphone para o usuário aqui no BRASIL, vejo que o sistema Android foi bem sucedido ao deixar sua plataforma livre para que outros desenvolvedores criassem aplicativos que fossem compatíveis com essa plataforma. Além disso, com a conta Google vinculada, conseguimos fazer um backup muito rápido de todos nosso contatos e diversas fotos que estavam num aparelho velho por exemplo.

Posso falar por experiência própria, seguindo minha opinião de que o sistema puro do Android nos telefones celulares é muito melhor para a experiência dos usuários. Como coloquei meu celular para consertar semana passada, tive a experiência de utilizar o sistema ultrapassado da Nokia, o Windows Phone.

Aqui no Brasil, não vejo vantagem das pessoas terem um IPHONE. Tirando a experiência única de ter um sistema "redondo" como esse, elenco alguns pontos negativos que dificultam a vida dos usuários aqui, tal como: carregador diferenciado, fone de ouvido diferenciado, Bluetooth não compatibiliza com Android e o próprio preço do aparelho. Sem falar nas pessoas que tem um Iphone, já conheci muitas, que não possuem internet no celular ou que querem "economizar dados" e ficam impossibilitadas de passar arquivos via Bluetooth (sabendo que isso é ultrapassado). Além dos carregadores e dispositivos caros que os usuários não querem pagar, acabam por utilizar carregadores velhos e remendados ou comprar os piratas disponíveis no mercado paralelo. Como falei antes, estou fazendo uma contextualização no BRASIL, com certeza para quem é americano a experiência é diferente.

Para termos uma noção em nível de utilização dos aparelhos no mercado mundial a distribuição é a seguinte:

Android: 86,2%
iOS: 12,9%
Windows: 0,6%
BlackBerry: 0,1%
O resto: 0,2%

Por fim, achei interessante a nova propaganda da Samsung que tira sarro do Iphone, fazendo uma alusão para que você "cresça" e compre um Samsung, achei a propaganda ótima.
Por fim, vejo que, por possuir um sistema que tende a ter muito mais aplicativos e sincronização mais eficiente (já ouvi comentários do tipo: mais eu sincronizo meu Iphone com meu Ipad, pois bem, mas você precisa ter um Ipad correto?), prefiro apostar no crescimento do Android na facilitação da vida do usuário brasileiro.

sábado, 4 de novembro de 2017

Viajante do Tempo e o Bitcoin em 2025

Em 2014, um perfil que se identificava como um cidadão que vivia no ano de 2025 disse ter escrito uma mensagem do futuro alertando para os perigos futuros de uma sociedade onde o bitcoin teria aceitação universal. Tal post foi originalmente publicado nesse link e voltou à tona no dia de hoje devido a esta tradução em português.
A história é muito bem elaborada, realmente prende a atenção do leitor e o emociona a ponto de confundir o raciocínio e faz crer na veracidade da história. Obviamente, a história é um fake, porque só vejo a possibilidade de mandar mensagens eletrônicas para o passado através de buracos de minhoca que conectem universos paralelos. Deixando a ficção científica de lado, vou comentar alguns pontos que achei interessantes da história.

A história já começa errando sobre a cotação do bitcoin em 2015, dizendo ter chegado a mil dólares em 2015, enquanto em nenhum momento desse ano ela passou de 500 dólares.

A parte das cidadelas independentes e da Nova Idade Média é interessante. Arrisco dizer que eu gostaria de ver isso acontecendo, apesar de achar que as criptomoedas não conseguirão acabar com os governos. Obviamente, se acontecesse a extinção da maioria dos governos (e extinção da elite globalista mundial) e organização da humanidade em pequenas sociedades, não acho que seria algo catastrófico como os eventos descritos no texto.

A África dominada pelos "pastel de flango" e pelos sarracenos também é hilária, de qualquer jeito, não acho que seria muito pior do que é hoje.

Sem dúvidas, a parte mais importante no texto e que é necessária mais reflexão é sobre o efeito da inflação e deflação. O autor do texto defende que inflação é uma coisa boa e que mantém a economia funcionando por meio de uma oferta infinita de dinheiro. Eu discordo fortemente dessa teoria, a inflação como conhecemos é somente uma forma dos governos cobrarem um imposto indireto, porque todas as novas moedas fiduciárias são criadas por eles. Dessa forma, eles elevam a preferência temporal porque o cidadão dono de moeda fiduciária tende a gastá-la antes que ela perca mais valor.
Uma sociedade pode funcionar com qualquer quantidade de valor monetário desde que ele seja divisível, e a ausência da criação de novas unidades monetárias não representa um risco para a economia, muito pelo contrário. A partir do momento que a moeda não é mais falsificável, há um incentivo maior para não gastá-la em consumo imediato e sim fazer investimentos de longo prazo para conseguir gerar um valor maior ao longo do tempo (mais moedas). Se o bitcoin virasse uma unidade de valor planetária, o preço dele tenderia a se estabilizar e ele não seria mais usado para especulação financeira, então haveria um incentivo maior para gastá-lo em investimentos. Dessa forma, o próprio mercado estabilizaria o valor do bitcoin, porque a necessidade de consumo e a possibilidade de investimentos, fariam com que as pessoas resolvessem gastar seus bitcoins ao invés de fazer hold AD AETERNUM como o texto sugere.
Por analogia: se um pão custasse hoje 2 reais, mas em 2018 custasse apenas um real, será que todos deixariam de comprar pão agora para comprar em 2018?

O que vou fazer agora? Já estou comprando minhas passagens de avião e negociando o contrato para viver na cidadela. Abraços!

quinta-feira, 2 de novembro de 2017

Fechamento Carnegie - Outubro

FALA CAMPEÕES! Hoje realizo o fechamento do mês de outubro, porém sem grandes novidades. Como comecei a realizar a troca da renda fixa para a renda variável, acabo por conseguir uma valorização que acompanha a subida  recente da bolsa.
A taxa Selic cai ainda mais, gerando um certo desconforto nos fundos de investimento que surfavam rentabilidades com a taxa em 2 dígitos. Agora que algumas rentabilidades se aproximam da poupança, há uma movimentação para baixar taxas de administração e modificar as estratégias de investimento desses fundos. Falo isso, pois vi alguns conhecidos que receberam ligações dos bancos para mudar as aplicações, colocar "alguma coisa" em renda variável. 


Estou num momento em que estou conseguindo investir pouco, em virtude de ter que realizar a troca do meu carro. Apesar de saber que a troca gera um custo adicional, tanto no nível de manutenção na troca de um usado (só em ultimo caso quero comprar um novo), tanto em custos de transferência, vejo que não tenho muitas alternativas no momento. Meu carro está chegando numa quilometragem um pouco elevada e penso que terei que gastar um valor considerável caso mantenha com ele futuramente. 

Na vida pessoal, estou procurando equilibrar investimento com gastos pessoais, já que, até poucos meses atrás, estava dando mais prioridade para a balança "guardar" mais do que "viver". Apesar de isso ser relativo e variar de pessoa para pessoa.

Como comprei um Kindle, e ainda estou me acostumando com ele, consegui terminar um livro que estava parado há um tempo. Lendo aos poucos, dependendo do dia e do momento. Terminei o livro 100 Ensaios.

Única alteração é a compra de um pouco de ITSA3.

IBOV últimos 30 dias: +0,56%
IFIX últimos 30 dias: - 0,43%
Poupança: 0,43% a.m

Rentabilidade mensal: +2,06%
Rentabilidade da carteira: 18,33%

terça-feira, 31 de outubro de 2017

Fechamento: Outubro Anno 2017 - Barbarossa

A minha carteira completou o décimo mês seguido com rentabilidade positiva e alcançou estupendos 61,04% de rentabilidade acumulada! Nunca pensei que em um espaço tão curto de tempo seria possível crescer minha carteira em quase dois terços. Será que as previsões de alguns comentaristas do blog se concretizarão e minha carteira fechará no positivo nos doze fechamentos de 2017?
Rentabilidade da carteira Brasil: +0,64%
Rentabilidade da carteira USA: +3,80%
Rentabilidade da carteira de Criptomoedas: +41,90%!!!

Rentabilidade Total: +5,40%
Rentabilidade Anual: +61,04%

Dólar mensal: +3,32%
IBOV mensal: +0,06%
IBOV anual: +23,38%

Em outubro o ritmo de ascensão do IBOV foi interrompido por uma súbita freada. Estou bastante cético com continuações da alta do IBOV nos próximos meses, principalmente em 2018. Por isso, estou aumentando minha reserva financeira de liquidez imediata (que não é contabilizada nos cálculos). Minha intenção é utilizar parte da reserva financeira para comprar RV brasileira em um momento de queda do mercado, mas, por ora, continuo aumentando minhas posições em ativos defensivos de RV.
As urnas 100% anti-fraude (ironia)
Eu, particularmente, acho que o mercado brasileiro deve cair antes das próximas eleições, porque não acredito que um candidato do Establishment social-democrata/fabiano (Alckmin, Dória ou Huck) tenha condições de levar a eleição. Isso traria um desconforto no mercado, que vê esses candidatos como a melhor alternativa. Obviamente, eu não compartilho dessa visão.

A minha carteira USA serviu de Hedge nesse fechamento, apesar da carteira Brasil ficar praticamente parada, a carteira USA embalou na alta do dólar e conseguiu um resultado bastante satisfatório.
Já a carteira de criptomoedas foi a propulsora da rentabilidade e rendeu 41,90% só em outubro com a alta do Bitcoin, mesmo com a Litecoin e a Dash ficando praticamente estacionadas.

As mudanças na carteira foram:

-Início de posição em Taesa - TAEE11
-Compra de DASH
-Compra de Litecoin

Livros: Democracia, O Deus Que Falhou - Hans-Hermann Hoppe (em progresso).

Abraços!

terça-feira, 24 de outubro de 2017

A Preferência Temporal em Nossas Vidas

O filósofo e economista Hans-Hermann Hoppe desenvolve o importantíssimo conceito da preferência temporal em seu livro "Democracia, o Deus que Falhou". Esse conceito é totalmente negligenciado por economistas keynesianos, que dão ênfase no consumo e produção, já para a Escola Austríaca de Economia, com ênfase em investimentos, o conceito de preferência temporal é evidenciado.
A preferência temporal é a propensão em trocar um bem presente por uma maior quantidade de bens futuros. Em outras palavras, é a propensão a realizar um investimento para ter mais bens futuros do que gastar o mesmo insumo para ter menos bens no presente.

No livro é dado o exemplo da história de Robinson Crusoé, em que ele decidiu gastar seu tempo (insumo) para produzir uma rede de pesca para obter mais alimentos (bens). Robinson Crusoé poderia ter decidido continuar procurando outras formas de alimentos prontos, mas resolveu investir seu tempo para produzir um bem intermediário que possibilitaria aumentar a produção de alimentos. A citação de Crusoé exemplifica bem que nem todo investimento é financeiro. Bens intermediários, que aumentam a produção de bens finais, também são investimentos.

O processo civilizatório é caracterizado pela queda da propensão temporal, o ser humano passa, cada vez menos, a ter que gastar seu tempo e insumos para suprir suas necessidades básicas e começa a gastá-los para aumentar a sua produção futura de insumos. Nesse sentido, os governos são forças descivilizatórias, porque a taxação sobre os processos produtivos aumentam os riscos sobre investimentos e, como consequência, aumentam a preferência temporal dos indivíduos.

A Preferência Temporal na Prática


O conceito de preferência temporal pode ser aplicado tanto para macroeconomia, bem como para nossas próprias vidas. Estimando um tempo de vida de pelo menos mais de 80 anos (sempre estime alguns anos a mais, para não correr o risco de não planejar os últimos anos de vida), seria inteligente adotar uma preferência temporal mais baixa no começo da vida e progressivamente aumentar a preferência temporal em proporcionalidade com o aumento da segurança financeira.
Obviamente, os agentes da Matrix financeira ficariam muito tristes se todos adotassem uma preferência temporal baixa. Quem sustentaria o sistema com empréstimos e juros de cartão de crédito?

A sabedoria convencional propaga a ideia de gastança dos 15 aos 30 anos e uma vida desenfreada. Sou absolutamente contra essa ideia, já vi muito idoso sem dinheiro algum e com famílias totalmente desestruturadas, mas eu ainda não vi um idoso que se arrependeu de não ter se divertido mais e gastado mais dos 15 aos 30 anos.

Uma ideia interessante de Hoppe sobre a preferência temporal individual é a possibilidade do ser humano de manter uma preferência temporal sempre baixa, para maximizar o retorno durante mais de uma geração. Apesar de alguns enxergarem a herança com desdém, as grandes fortunas foram quase todas construídas por investimentos de sucessivas gerações, inclusive, as famílias da elite financeira mundial (Rothschild, Rockfeller, Astor, etc.) são todas bem estruturadas, diferentemente da intenção de todos os investimentos em manipulação comportamental para que a sua família não o seja.

Por Que a Preferência Temporal é Subestimada?


A preferência temporal é subestimada porque é um conceito importante demais e se todos se dessem conta de quão importante é ter uma preferência temporal baixa, pelo menos nos primeiros anos de trabalho, vários agentes da Matrix Financeira cairiam. 
É muito mais útil, na ótica de poder do governo, ensinar um conceito totalmente falho como a Mais-Valia, que é totalmente inútil do ponto de vista econômico, porque o valor dos bens é determinado pela demanda e não pela quantidade de trabalho. Aliás, pela ótica educacional do governo brasileiro, que reflete o pensamento do próprio Paulo Freire, a educação serve para formar cidadãos "críticos" (codinome para massa de manobra) e não ensinar em si. Espero que nos próximos anos fontes de conhecimento fora do controle estatal possam florescer para derrubar o "monopólio" do politicamente correto na educação.

domingo, 22 de outubro de 2017

Palestra de Kiyosaki no Brasil

Já faz quase um mês que ocorreu no Brasil a palestra do autor do "Pai Rico, Pai Pobre", famoso livro de finanças pessoais, em que Robert Kiyosaki foi vaiado. A audiência relatou que Kiyosaki foi repetitivo durante a palestra e ficou explicando várias vezes conceitos básicos que já estavam apresentados nos livros deles, além disso disse que informações mais importantes seriam divulgadas em seu próximo curso e foi, no mínimo, arrogante com os clientes insatisfeitos.
É engraçado como esses autores "pop" de finanças são do tipo "faça o que eu digo e não o que eu faço". Mesmo sem levar em consideração a empresa do Kiyosaki que pediu falência, pagar 2647 reais por um ingresso é algo que vai contra a própria filosofia expressa nos livros de Kiyosaki. Isso já virou o famoso empreendedorismo de palco, encabeçado no Brasil pela Bel Pesce, que também cobra valores astronômicos por suas palestras de motivação e, assim como Kiyosaki, não conseguiu fazer nenhum empreendimento de sucesso que não seja o próprio empreendedorismo de palco.
Vendendo livros e cursos, em grande parte
Eu ainda acho que o best seller de Kiyosaki tem algumas virtudes, ele apresenta conceitos muito básicos, como gastar menos do que ganha, investir para buscar renda passiva, não fazer dívidas, não comprar bens que desvalorizem e gerem mais gastos, etc. Para pessoas que nunca tiveram contato algum com educação financeira é muito útil e pelo valor médio de 50 reais, é um excelente investimento. Se você for espertinho vai digitar "pai rico pai pobre pdf" no google e ler de graça.

Eu digo que pagar 2647 reais por um ingresso vai contra a filosofia dos livros de Kiyosaki e também contra as próprias leis das finanças porque dificilmente um brasileiro médio iria ter uma boa relação de custo x benefício pagando tão caro. O valor é muito alto, daria para comprar os livros do próprio Kiyosaki, Cerbasi, Benjamin Graham, Peter Lynch, Philip Fisher e Jeremy Siegel. Seria possível, obviamente, extrair um conhecimento financeiro infinitamente maior pela leitura dessas obras do que em qualquer palestra de duas horas.

Sempre que eu compro um livro sobre finanças eu calculo quanto tempo rendimentos, teoricamente, eu teria que esperar para pagar o preço do investimento. Como o custo de bons livros é pequeno em comparação ao retorno potencial de seus conhecimentos aplicados, eu sempre fiz aquisições de livros com custo x benefício altas. Para cobrir o custo dessa palestra de dois dias, seria necessário um mês de rendimentos de uma carteira de 264.700 reais que rendesse 1% ao mês. Paradoxalmente, Kiyosaki repetiu várias vezes em sua palestra que o tempo deve ser bem utilizado, pergunto-me: como o tempo seria bem utilizado perdendo dois dias para ouvir conceitos básicos a um preço astronômico?
Diferentemente do Carnegie, nunca fiz curso algum sobre mercado financeiro e pretendo continuar assim, não achei nenhum curso que tivesse uma relação de custo x benefício melhor do que a leitura das obras-primas do investimento (explicadas aqui e aqui). Apesar de eu nunca ter feito curso algum sobre mercado financeiro para testar a minha teoria, o Carnegie, que já fez, concorda comigo nesse aspecto.

Mais absurdo, ainda, foi o preço do curso anunciado em que Kiyosaki daria sua aula avançada, pela bagatela de 7 mil reais! Será possível que alguém que já fez esse curso conseguiu recuperar o valor dele apenas com os conhecimentos aprendidos? Mas o valor alto não é problema, pode-se parcelar no cartão de crédito (ironia).

sábado, 14 de outubro de 2017

Ranking de Rentabilidade - Setembro 2017

O mês de setembro foi marcado pela continuidade da alta dos mercados de capitais, por isso, mais uma vez, nenhum integrante ficou com rentabilidade negativa. Pelo menos este mês estou conseguindo publicar o Ranking perto da data planejada, vou tentar publicá-lo sempre até o décimo segundo dia de cada mês, permanecendo o décimo dia do mês como a data máxima para a atualização da rentabilidade dos participantes. Sem mais delongas, está no ar a edição Setembro Anno 2017 do Ranking:

Série A: Masters of the World


Consegui manter a liderança no Ranking a partir das seguintes rentabilidades acumuladas: 47,48% na carteira Brasil; 6,13% na carteira USA, e 311,24% na carteira de criptomoedas. As criptomoedas realmente estão ajudando muito, quisera eu ter investido mais durante o ano passado, porque minha alocação total nelas pouco passa de 10% da minha carteira consolidada.

Eu sempre gostei das manobras do Surfista Calhorda, mas nesse mês elas foram deveras "suspeitas". A rentabilidade foi sinalizada com a cor laranja e com asterisco porque a seção de Malha Fina da CAPITALISMUS S/A encontrou indícios de contabilidade criativa no cálculo da rentabilidade, em desacordo com as regras do Ranking:
Foi identificado que a Regra 2 não foi observada por ocasião do cálculo da rentabilidade. Não tinha entendido que desde junho o Surfista contabilizou a rentabilidade imobiliária. Nesse caso, o jeito de contabilizar o imóvel, de acordo com as regras, seria contabilizar a retirada de recursos do cálculo para comprar o imóvel e depois contabilizar um novo aporte após a venda do imóvel.
Especialista em contabilidade e grande amiga do Surfista
O Pretenso Milionário permaneceu em terceiro lugar, não teve tempo de fazer seu post e informou sua rentabilidade por meio de um comentário no blog. O Economicamente Incorreto, para variar, atrasou o fechamento mensal e permaneceu com a rentabilidade repetida de agosto, recebendo uma NOTA CENSORIA.

Série B: Not Bad


O Noob Investidor repetiu o atraso na publicação da rentabilidade por mais de dois meses seguidos e foi retirado do Ranking, o lugar dele foi assumido pelo Investidor Wannabe. Suspeita-se que o Noob tenha caído em um golpe de uma das Thots que cresceram o olho nele após a compra do seu imóvel.
É uma bilada Cino!
O Investidor Defensivo permaneceu na quinta posição e sua carteira de ações performou 2,04% no mês. O Zé Ninguém realizou duas ultrapassagens e ocupa a sexta posição, sua carteira de ações rendeu 3,48% em setembro. Bastou o Longe do Limite ficar com a rentabilidade próxima de zero em um mês para que ele sofresse três ultrapassagens e caísse da Série A. Enquanto isso, o foguete do Ranking, o Investidor Convicto, continua ganhando alturas e conseguiu subir para a série B.

Série C: Pé-de-chinelo


Carnegie conseguiu sua maior rentabilidade mensal até agora, fruto da maior alocação em RV, em detrimento da RF, ganhou uma posição e ficou em nono. O Pobre Japa conseguiu realizar três ultrapassagens com sua rentabilidade mensal de 2,75% e assumiu a liderança do pelotão com rentabilidades de 11% a 13% que vai da décima até a décima terceira posição. O Aportador terminou na décima segunda posição, conseguindo uma boa rentabilidade mensal de 2,38%. O novato, Investidor Wannabe, ingressou o Ranking na décima segunda posição e com uma carteira com cerca de 74% em TD e 26% em ações.
Japa ultrapassando o Idiota e o Aportador
A fila de espera para a entrada no Ranking ficou: 1) Maromba; 2) Bna; 3) Tio Patinhas; 4) Viver de Trade. O Wannabe estava em terceiro e entrou no Ranking antes dos dois primeiros porque era o único que fazia acompanhamento de rentabilidade desde janeiro.

Série D: Jênios das Finanças


A rentabilidade mensal de apenas 0,88% do Idiota não foi suficiente para impedi-lo de cair para a Série D e ele ficou na décima terceira colocação. Seguem na corrida dos jabutis o M1M, seguido pelo Heavy Metal e pelo Investidor das Exatas. Sem ultrapassagens nas últimas colocações, mas o jabuti do M1M começou a esticar as passadas.
Link para o Ranking de agosto

Abraços!

terça-feira, 10 de outubro de 2017

Comentários: SLC Agrícola 2T17

Há quase um ano atrás eu escrevi pela primeira vez sobre a SLC, naquela época, a SLC tinha registrado um prejuízo de 58M por causa da seca no Brasil. Agora, com condições climáticas normais e recuperação dos preços das commodities agrícolas, a SLC conseguiu lucrar 76,5M no trimestre.
A SLC mudou da fase expansionista para a fase de consolidação, o foco da empresa agora é aumentar a rentabilidade e o retorno para os acionistas, enquanto que no período de 2007 até 2015, o foco foi adquirir mais terras e aumentar a área plantada. Considero que a SLC está tendo sucesso nesse plano, porque está conseguindo trabalhar com boas rentabilidades e manter a dívida líquida em valores totalmente controlados.
Há alguns anos atrás eu percebi que o setor agrícola tinha grandes chances de se expandir, mas não tinha certeza se essa expansão seria lucrativa ou não. Como exemplo temos o mercado de aviação civil, que apesar de ter expandido de forma exponencial nos últimos 100 anos, acabou gerando mais prejuízo do que lucro aos investidores. Avaliei se seria melhor adotar a estratégia das "pás e picaretas", ou seja, comprar ações de fornecedores do setor, mas no Brasil só temos a Metisa, que está bem meia boca. Internacionalmente há bons fornecedores como a John Deere, mas na época eu ainda não tinha acesso ao mercado americano. Resolvi comprar SLCE3 por 13,XX e tem se mostrado uma compra muito acertada até agora.
Localização das fazendas da SLC
Como disse há um ano atrás, o setor agrícola é extremamente volátil, ou usando um bordão: "agricultura não é para amadores". Há inúmeros fatores climáticos e biológicos que podem destruir uma safra e a disputa para a produção com menos custos nunca para. A SLC está se saindo bem nessa disputa e está mostrando que o modelo de negócios dela é acertado. A outra empresa do setor na bolsa, a Terra Santa, está há anos sem sair do lugar e amargando prejuízos.
As cotações da SLCE3 subiram muito nos últimos meses, chegando até 23,XX reais, mas eu acredito que a empresa tenha mesmo conseguido gerar valor que correspondeu à subida de preços, dessa forma, apesar da SLCE3 não ser mais uma barbada, ainda acredito ser uma empresa vantajosa ao investimento.



O próximo post será o Ranking de Rentabilidade

sábado, 7 de outubro de 2017

Criptomoeda Dash: O que é?

A Dash é uma criptomoeda que tem a proposta de ser um Bitcoin melhorado, ela possui transações mais rápidas e quase instantâneas, taxa muito mais baixa e transações anônimas. A ideia foi criar uma criptomoeda que permitisse funcionalidades do dinheiro físico (anonimato e instantaneidade) a nível global, mantendo um número fixo de criptomoedas emitidas, dessa forma não existe o imposto da inflação sobre a Dash.
A Dash foi criada em 2014 com o nome de XCoin e pouco depois de um mês passou a se chamar Darkcoin, depois de um ano foi adotado o nome atual, mais comercial e menos underground, Dash é a junção de "digital cash" em uma só palavra.

A Dash ficou conhecida no Brasil por causa do canal de Youtube de conteúdo libertário Ideias Radicais, do Raphaël Lima, que recebeu patrocínio da organização Dash e abordou a criptomoeda Dash em alguns vídeos.

Resolvi adquirir Dash em maio desse ano, na época o valor unitário estava em 96 dólares. Enquanto escrevo este post, o valor unitário da Dash está em 308 dólares e ainda vejo bastante espaço para crescimento por causa das funcionalidades que superam as do Bitcoin e também porque o limite máximo de emissão da Dash é de apenas 18,9M, enquanto o limite máximo de emissão do Bitcoin é de 21M unidades.

Infelizmente, o melhor método de comprar Dash ainda é seguir os passos que eu expliquei no Guia de Compra de Altcoins, o jeito mais barato é comprar Bitcoin na Foxbit e trocar por Dash na Poloniex ou na Bittrex. Existe a opção de comprar direto pela CoinBR, mas verifiquei que eles estão cobrando 20% mais caro do que nos EUA. Fazendo a operação pela Foxbit-Poloniex, eu comprei Dash na semana passada pagando, no total, menos de 7% mais caro do que nos EUA.

Como Funciona a Dash?


Patrocínio da Dash, utilizando verba de propaganda
A rede Dash funciona de forma diferente da rede Bitcoin, uma das maiores diferenças é a existência de Masternodes, que têm a função de realizar a anonimidade e instantaneidade da rede. A recompensa de mineração e de taxas de transação é dividida em 45% para os mineradores (que suprem o processamento da rede), 45% para os masternodes e 10% de orçamento para a organização Dash para desenvolvimento e propaganda.

O Masternode é um servidor específico que necessita de 1000 Dash para operar, portanto o número de Masternodes possíveis é limitado pela escassez da moeda, além de prover a instantaneidade e anonimidade, os Masternodes também são os eleitores da organização Dash e votam propostas de como gastar o orçamento da organização.
Atualmente, com o valor da Dash em de cerca de 1000 reias, custaria 1 milhão para criar um novo Masternode, que renderia cerca de 7 Dash por mês, ou cerca de 7 mil reais. Se eu fosse esperto o suficiente para conhecer a Dash em 2015, poderia ter comprado um Masternode com apenas 10 mil reais e ter uma renda de 7 Dash mensais.

A Dash tem três tipos de transações, as transações normais, que funcionam como as transações de bitcoin, mas são muito mais rápidas; as transações InstantSend, que demoram cerca de 1,5 segundos para a confirmação, e as transações PrivateSend, que mixa os endereços de envio e recebimento, tornando quase impossível o rastreio dos endereços que participaram da transação.

O que comprar com Dash?


Ainda existem muito poucos comércios que aceitam a Dash, mas já é possível pagar contas e boletos com Dash através do Dasher Pay e é possível ter um cartão pré-pago Adv Cash que pode ser carregado com Dash.
A Dash tem grandes vantagens em relação ao Bitcoin na utilização como dinheiro. O Bitcoin tem uma marca muito mais conhecida e tem vantagem para a manutenção de reservas de capital, mas como a Dash possui taxa de transação atual de cerca de dois cents (a taxa atual do bitcoin é de cerca de dois dólares) e transações instantâneas, seria muito mais vantajoso utilizar a Dash como dinheiro propriamente dito.

sexta-feira, 6 de outubro de 2017

Comentários: Taesa 2T17

A Taesa (TAEE11) é uma empresa com resultados bastante previsíveis, porque a atividade dela é extremamente simples e tediosa: a manutenção de linhas de transmissão de energia. O lucro líquido da Taesa foi menor que nos últimos trimestres, somente 72M, porque o IGP-M recuou no último trimestre, como o valor das concessões é atualizado na demonstração de resultados, um IGP-M negativo significa depreciação de ativo financeiro de concessões. Nada para se preocupar quanto a isso, o efeito é apenas contábil.
Como expliquei no meu último post sobre a Taesa, há quase um ano atrás, o setor de energia elétrica é dividido em três segmentos e o segmento de transmissão, por sua vez, é dividido no Brasil em três tipos de concessão. A Taesa possui, ainda, a maior parte de suas concessões na Categoria II, mas ganhou vários leilões de transmissão Categoria III no período entre hoje e meu último post.
Como é bom investir em empresas tediosas
As concessões de Categoria II terão a RAP (receita anual permitida) reajustadas em menos 50% entre 2017 e 2021, quando acaba o período inicial de 15 anos previsto na concessão. Esse reajuste só terá impacto na geração de caixa da Taesa, porque os resultados já são ajustados segundo uma contabilidade que deixa "linear" a RAP da categoria II.

A Taesa não é uma empresa que poderá ter um crescimento vertiginoso, mas ela tem potencial de continuar gerando muito caixa e pagando bons dividendos. As linhas que estão em construção, vencidas nos últimos leilões, poderão manter a geração de caixa da Taesa, mesmo com a redução da RAP na Categoria II. A empresa também opera com um nível saudável de endividamento e a redução dos juros também diminuirá sensivelmente os juros pagos pela Taesa.
A Cemig é a maior acionista da Taesa, mas a Taesa não é uma empresa estatal, porque a Cemig não tem o controle da Taesa. Nos próximos meses pode acontecer a venda da participação da Cemig na Taesa para outra empresa, apesar de achar que tal fato não mudará muita coisa na Taesa, poderá ser um "driver" para que o mercado possa ver mais valor na Taesa.
Considero que a Taesa esteja favorável ao investimento nesse momento, ainda mais por ser uma empresa muito estável em um período em que o mercado está bastante valorizado de uma maneira geral. As empresas com receitas fixas, como a Taesa, tendem a subir menos em períodos de topo de mercado e cair bem menos nos fundos. Além disso, acredito que as novas concessões vão possibilitar a continuidade de pagamentos de dividendos maiores que 700M anuais nos próximos anos.

Taesa RI

quinta-feira, 5 de outubro de 2017

Fechamento Carnegie - Setembro 2017

Fechamento do mês de setembro no ar. Vivemos um boom da bolsa brasileira, com o índice alcançando níveis históricos... é de se surpreender. Como estava realizando a troca parcial de renda fixa por ações, e, para o longo prazo, vou continuar assim, obtive uma boa rentabilidade nesse mês.
Minhas compras basearam-se, basicamente, na troca de BBAS3 por outras que julguei mais interessantes, tal como KNRI11 (Fundo Imobiliário), ITSA3 (não comprei a ITSA4, pois estava mais barata) e CGRA3 (mesmo motivo por não ter comprado a CGRA4)

Estou me habituando com a compra de criptomoedas, tenho que estudar mais a fundo sobre o assunto. No momento, estou sem tempo por causa do trabalho, porém a ideia em ter uma posição em BITCOIN já me é favorável.


IBOV últimos 30 dias: +6,84%
IFIX últimos 30 dias: + 5,77%
Poupança: 0,50% a.m

Rentabilidade mensal: +2,89%
Rentabilidade da carteira: 15,94%

Livros lidos: A Renda Fixa não é Fixa


FRASE DA SEMANA:

"EDUQUE AS CRIANÇAS E NÃO SERÁ PRECISO PUNIR OS HOMENS"



segunda-feira, 2 de outubro de 2017

Referendo de Independência da Catalunha

Contrariando o senso comum libertário, sou totalmente contrário à independência da Catalunha nos termos atuais, justamente por não se tratar de uma independência de facto. Em uma secessão, um território com pouca soberania separa-se de um estado maior para conseguir uma maior soberania e autonomia. É exatamente esse o problema da proposta de independência da Catalunha, a proposta é a secessão da Espanha, um país sem soberania, para criar um novo país com menos soberania ainda e totalmente vassalo à União Europeia e à OTAN.
Foi realizado um referendo pela secessão ontem, no dia 1º de Outubro. O "sim" ganhou com mais de 90% dos votos, o que já era de se esperar, porque quem era contrário não votou para boicotar o referendo e, além disso, ocorreram inúmeras fraudes, como um cidadão que votou quatro vezes em quatro urnas diferentes e cujas fotos circulam na internet.

1002 votos em um vilarejo com 470 habitantes
Tanto a ilegalidade do referendo pela constituição espanhola, bem como o resultado do referendo, para mim, não significam nada. A primeira porque não carrego a crença de que a legalidade deve passar por cima da moralidade e segunda porque a democracia é uma ameaça à raça humana.

Como já dizia o Sérgio Moro, basta seguir o caminho do dinheiro e você descobre os personagens. Pois bem, o que dizer de um movimento separatista apoiado por George Soros e pela elite globalista? Certamente é uma armadilha!

Os políticos socialistas catalães querem criar uma república totalmente vassala à União Europeia. A Espanha já é um estado inchado e não cresce por causa de políticas assistencialistas que minam a economia. A ideia da Catalunha é criar um estado com mais Welfare ainda e aumentar ainda mais a recepção de refugiados Wahhabi.

O senso comum libertário defende que toda a secessão é boa, porque reduz o poder de um estado grande e cria estados com menos poder. No caso da Catalunha é exatamente o oposto que acontece, apesar da UE negar e dizer que é contrária à secessão catalã, é extremamente favorável a ela que os países dentro da União se separem cada vez mais, assim cada estado teria menos força para contrariar qualquer decisão da UE.

O povo inglês recentemente desafiou a UE e, passados mais de um ano, continuam sendo enrolados pelos eurocratas que querem prolongar ao máximo a permanência do Reino Unido na União para tentar reverter a decisão do Brexit.
Qual a possibilidade disso dar certo?
A próxima jogada da União Europeia será a criação da Euro Army, o Exército Europeu, mais uma ferramenta para diminuir cada vez mais a soberania dos estados-nação e do indivíduo europeu. A UE já rouba a soberania dos países no campo político, com os eurocratas não eleitos, e no campo econômico, com o Euro e o BCE, e agora tentará dominar também a esfera de poder militar. O poder bélico é o mais perigoso. O que aconteceria com a Espanha se já existisse a Euro Army? A Euro Army poderia intervir contra a Espanha sob a acusação de utilizar força militar contra a própria população?

Paira no ar a dúvida de como sair da OTAN, visto que, até agora, nenhum país conseguiu tal façanha. Será que seria necessário declarar uma guerra de secessão?
Por fim, eu seria o primeiro apoiador da independência da Catalunha se eles propusessem sair da UE e da OTAN, instituir uma monarquia tradicional, acabar com o Welfare State e imigração descontrolada e adotar tarifas e impostos muito baixos para desenvolver a economia interna e atrair investimentos. Se for para que a Catalunha se torne um território totalmente vassalo da UE, prefiro que Barcelona seja bombardeada novamente.