domingo, 19 de março de 2017

Proficiência em idiomas




Olá camaradas, essa é uma das questões levantadas pelo Porco Capitalista, fato que achei válido comentar por aqui.

Vale a pena investir atualmente em um diploma de inglês e outras línguas no duolingo?


Pessoalmente acho válido estudar outros idiomas, principalmente o mais comum que é o Inglês. Já conheci colegas que foram estudar fora, como Japão, China e Alemanha e aprenderam o idioma local, que se tratando dos primeiros países modifica totalmente a forma como é construído o dialeto, dificultando seu estudo. Não acho que seja ruim aprender essas línguas, porém quem ainda engatinha na língua estrangeira base - no caso o Inglês - não vejo, num primeiro momento, um custo benefício válido.

Depois de me dedicar por um tempo relativamente pequeno (estudo focado) - mais ou menos 1 ano e meio - consegui uma certificação mínima para colocar no currículo. Na realidade, vi que o ensino escolar aprendido nas escolas do primário são totalmente ineficazes no aprendizado da língua. É muito difícil conhecer alguém que tenha uma proficiência na língua - somente estudando no colégio (com certeza há exceções).

Disciplina do estudo no colégio

Num mundo onde há concorrência para tudo e, obviamente, na busca por um emprego, quem possui qualquer tipo de diferencial será válido na hora de decidir uma vaga. Poxa, mas tem vagas que não possui esse tipo de exigência, para que vou usar um diploma de inglês? Em um primeiro momento, demonstra que você está tentando acompanhar a evolução do mercado, depois demonstra um mínimo de interesse por querer especializar. Quando somos muito jovens, acaba que nosso currículo (principalmente num primeiro emprego) peca no quesito experiência, por isso qualquer demonstração de interesse é válido.

Respondendo a pergunta do Porco Capitalista, será que é realmente válido aprender por vias totalmente digitais, tal como o Duolingo? 

Bom, primeiramente, gostaria de comentar que já fiz aulas totalmente online, há um post que fiz um tempo atrás falando do curso que realizei. Desde já, informo que a parte dedicação fica bastante evidenciada, já que NÓS MESMO devemos definir o horário de estudo e o ritmo que iremos aprender. Partindo do pressuposto que nosso corpo quer o mais fácil e o mais rápido, vejo que esses métodos servem mais para complementar o estudo e, pra quem é preguiçoso, é bastante difícil encontrar forças no final do dia para sentar na frente do computador e aprender.

Na aula presencial, vejo que há um maior custo benefício, porém por um tempo limitado. Claro, se você tiver centenas de Temers para pagar em um curso regular de 3 a 4 anos em média, num curso completo nesses ensinos pagos, tal como Yazigi, Wizard, Fisk, sinta-se totalmente confortável, porém fazendo 1 a 2 semestres e estudando por conta, ou fazendo o curso por um tempo determinado (que você mesmo estipulou!) e ESTUDANDO, você conseguirá resultados satisfatórios de aprendizado, tanto na busca de um currículo ou uma proficiência.

Para complementar, digo que o contato com a língua é essencial, por isso que naturalmente quem fica muitos anos em cursos pagos consegue se sair melhor comparado com o aluno que faria somente 1 ou 2 semestres de inglês pago. Porém, se você realmente se dedicar, buscar sites online - como o Duolingo, aplicativos de celular, fazer as lições, trabalhos, conseguirá um resultado tão bom quanto quem passa a vida nesses cursos. Passei por 3 escolas de inglês pagas, pois gostava de mudar de método de pouco em pouco tempo, porém percebi que a maioria dos alunos CAGAVAM para as lições e trabalhos passados, ou seja, voltamos para a ideia da disciplina novamente.

Vejo que o foco é essencial. Há muitas escolas pagas oferecem outras modalidades, do tipo, pague o Inglês e ganhe o Espanhol, ou ganhe 50 % de desconto na modalidade. Vejo que é aquela típica jogada de marketing, você não se dedica totalmente a nenhuma e fica num patamar intermediário (há exceções), com isso fica com uma dedicação dividida, metade Inglês e metade Espanhol por exemplo. Não acho a melhor linha de ação, concentração e foco são essenciais num primeiro momento.

Eu pessoalmente já tentei buscar alguns sites para complementar, porém não via muita motivação em fazer os exercícios na frente de uma tela ou monitor. Acho que o ensino de idiomas está evoluindo, com novos métodos e, com certeza, um contato maior com pessoas e com profissionais da área são muito mais válidos.

Com relação a diplomas, a resposta é sim, acho bastante válido tentarmos acompanhar o mercado atual, globalizado, mesmo para quem não gosta de estudar. É aquela questão, vai correr atrás do prejuízo ou vai passar a vida inteira se lamentando. Vejo que é aquela exigência indireta, se não tiver, não digo que a pessoa não consiga vislumbrar um melhor emprego, mas nos dias atuais está sendo cada vez mais exigido. 

Como dica, para quem está tentando aperfeiçoar o inglês ouvido - listening - recomendo ver vídeos na internet como este que acho muito interessante. Além de métodos de ensino, tem uma didática excelente para quem quer aperfeiçoar essa capacidade.

Técnica de estudo olhando filmes

Abraço a todos!

9 comentários:

  1. Os homens mais ricos do mundo mal danem escrever. Só digo isso.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Corrigindo: Quis dizer que os homens mais ricos do mundo mal sabem escrever. Não estou fazendo apologia a ignorância. Mas se a finalidade for o dinheiro, talvez existam investimentos melhores do que o inglês.
      Abraço meu amigo.

      Excluir
    2. Obrigado pelo comentário Einstein, eu entendi seu ponto de vista e concordo em parte, o estudo não é garantia de total sucesso profissional, temos exemplos como Steve Jobs e Mark Zuckerberg que com apenas 26 anos conseguiu acumular uma fortuna de 6,9 bilhões de dólares.

      Porém vou usar as palavras do próprio Bill Gates: "“Apesar de ter largado a faculdade e ter conseguido uma carreira na indústria de software, ter um diploma é um caminho muito mais certeiro para o sucesso”.

      Penso que é muito mais certo estudar do que deixar que que as coisas milagrosamente aconteçam por acaso, talvez algumas pessoas não encontrem futuro em ensinos tradicionais, porém são poucos que conseguem sucesso assim (para pessoas normais, e me incluo nessa, vou continuar estudando porque está dando mais certo)
      grande abraço

      Excluir
  2. Para quem já tiver alguma base de inglês: https://www.engvid.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Top Anon, vou dar uma olhada nesse site que você recomendou, grande abraço!

      Excluir
  3. Olá!

    Eu só posso afirmar o quanto falar inglês contribuiu na minha vida pessoal. Com muito sacrifício meus pais pagaram o curso e sempre levei os estudos a sério. Agora estou estudando espanhol por conta própria e tenho tido progressos. Estudar idiomas pra mim é mais prazer do que aperfeiçoamento profissional, mas é claro que uma coisa leva a outra.

    Um abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado pelo comentário Jacqueline, as vezes não temos como mensurar o quanto o estudo está nos ajudando em nossa vida, mas com certeza quando alguma oportunidade surge não é por mero acaso.
      PS: é difícil encontrar um público feminino por aqui, espero que continue acompanhando. Abraço!

      Excluir
  4. Há algum tempo comecei a estudar sozinho, mas mesmo percebendo o meu progresso, não segui a rotina prevista e não estudo ou reviso há meses... porém, por notar um grande avanço, sinto vontade de retornar ao estudo, dessa vez com a vantagem de saber por quais meios de estudo. Índico que utilizem o sistema/aplicativo Anki, que nada mais é que um sistema de revisão espaçada para auxiliar no estudo sozinho.

    ResponderExcluir
  5. Fala Jamesson, tranquilo? Vou dar uma olhada nesse aplicativo, espero que você tenha motivação para continuar os estudos, é complicado no início, principalmente quando não temos o hábito. abraço!

    ResponderExcluir