terça-feira, 29 de novembro de 2016

Bitcoin como Reserva de Valor

O Bitcoin é uma commoditie financeira pouco usada e ainda desconhecida por muitos. A criptomoeda foi criada em 2009 com a finalidade de ser uma moeda de troca sem o controle de nenhum governo ou organismo, tendo utilização totalmente descentralizada, e propor uma alternativa às moedas oficiais.
Esse post não busca explicar o que é Bitcoin, mas, sim, explicar porque eu acho vantajoso possuir Bitcoin como reserva financeira. Eis os principais motivos:

I - Impressão ilimitada de dinheiro pelos bancos centrais

A criação ilimitada de dinheiro pelos bancos centrais tornou-se possível desde que o padrão ouro foi abolido e o dinheiro estatal passou a representar nada, ou seja, é uma moeda sem lastro nenhum, mas possui valor porque é utilizada em trocas comerciais.

A impressão de dinheiro e a inflação são duas ferramentas muito poderosas da burocracia governamental, com elas o governo consegue gastar mais do que arrecada e emitir dívidas numericamente infinitas, custeando toda forma de desperdício de dinheiro gastos governamentais. O cidadão, como sempre, é o idiota que paga a conta do governo, porque, enquanto o governo tem a impressora e diminui os valores reais da dívida pública com a inflação, o cidadão possui dinheiro que vale cada vez menos e tem que pagar preços crescentes.
Keynes e sua famosa técnica de desvalorização monetária
O Bitcoin também não é lastreado, mas a quantidade de Bitcoins possíveis no universo é finita e a maior parte já está em circulação, por isso, impera o princípio da escassez: quanto mais o Bitcoin for utilizado, mais ele valerá, porque a quantidade de Bitcoins no mundo é limitada.

II - Ausência de controle governamental sobre as transações

Cada vez mais, a receita possui mais olhos e mais tentáculos para tentar arrancar o dinheiro do povo. Antes do advento dos computadores, as receitas nacionais tinham muito menos ferramentas para espionar as transações e patrimônios de seus cidadãos. Hoje, em contrapartida, as receitas conseguem ter acesso quase total aos mínimos detalhes da vida financeira de cada alma que transaciona dentro de seu território. Alguns países mais orwellianos, como a Suécia, já sonham em acabar totalmente com o dinheiro físico e impor a todos as transações eletrônicas com vigia estatal.
Nas últimas décadas as taxas de arrecadação aumentaram muito em todo muito. Eu seria indiferente caso o dinheiro fosse utilizado com um mínimo de responsabilidade, mas como eu sei que boa parte desse dinheiro é direcionado para atividades totalmente inúteis (Lei Rouanet...), atividades que destroem a cultura nacional e a sociedade (financiamento à ideologias marxistas...) e corrupções diversas, isso me deixa profundamente indignado. Na época áurea do glorioso Império Brasileiro, a taxa de arrecadação de impostos correspondia a 14% do PIB, hoje a arrecadação de impostos corresponde a quase 40% do PIB brasileiro!

O Bitcoin permite que seu proprietário realize transações pseudônimas e sempre será impossível que a receita enxergue sua carteira, portanto é uma reserva totalmente invisível aos olhos da receita.

III - Baixo valor de mercado da base monetária de Bitcoin

Há apenas pouco mais de 16 milhões de unidades de Bitcoin em circulação no mundo e todos os Bitcoins do mundo valem apenas 11,78 bilhões de dólares, ou seja, menos que o valor de mercado da Cielo. Caso as transações com Bitcoin continuem crescendo, bem como sua utilização como reserva monetária, será inevitável que o valor de mercado aumente para comportar uma maior demanda de transações.

Valor unitário e valor da base monetária dos Bitcoin
Desvantagens do Bitcoin:

As principais desvantagens que eu identifico de utilizar o Bitcoin como reserva financeira são as seguintes: transações cada vez mais demoradas, possibilidade de surgimento de concorrentes e sanções governamentais.

As transações cada vez mais demoradas são um problema técnico do código dos bitcoins, esse contratempo poderia ser resolvido caso a comunidade Bitcoin chegasse a um acordo para que o tamanho do bloco fosse aumentado (não sou experto em computação e informática). Até agora, esse acordo não foi alcançado.

A possibilidade de surgimento de novos concorrentes com códigos melhores e transações mais rápidas é um grande risco, mas, ainda assim, é difícil que uma outra criptomoeda desbanque o Bitcoin como moeda com maior volume de transações. O maior concorrente do Bitcoin é a Ethereum, que promete ser uma criptomoeda 2.0, porém, até agora, não emplacou.

As sanções governamentais já são realidade em alguns países. Seria totalmente impossível proibir qualquer transação de Bitcoin, mas os governos tem poderes de desencorajar as transações, o que diminuiria a demanda e, consequentemente, o preço.

Conclusão:

O Bitcoin pode ser extremamente favorável como reserva financeira caso as premissas que indicam o aumento da demanda se confirmem, mas tudo (sempre) pode falhar miseravelmente, então não é muito recomendável assumir uma posição muito grande em Bitcoin em relação ao resto do patrimônio.

2 comentários:

  1. Interessante sua opinião sobre BitCoin! Essa desvantagem dos concorrentes é complicada demais. Vamos supor que daqui alguns anos, tenha uma moeda parecida com BitCoin e depois outra, e depois outra. Como ficaria? Acho ruim deixar o controle na mão do Estado mas deixar sem controle (criação de várias criptomoedas) também seria muito ruim.

    Abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Saudações, Engenheiro! A possibilidade de surgimento de concorrentes é muito grande e é totalmente impossível impedir o surgimento de outras criptomoedas. Para diminuir o risco é viável comprar um poucos das outras moedas com mais liquidez, porque o investidor estaria protegido na situação de alguma delas desbancar o Bitcoin.

      Abraços!

      Excluir